Artigos & Notícias

A relevância do Acordo de Sócios, por Miguel Marques Vieira

 

O Acordo de Sócios tem por finalidade assegurar um maior alinhamento entre os sócios em favor da organização empresarial, observadas as disposições pertinentes ao artigo 118 da Lei nº 6.404/76 (Lei das Sociedades Anônimas), procedendo-se às necessárias adaptações ao tipo societário da sociedade empresária em questão. Tal instrumento jurídico e normativo busca evitar eventuais conflitos societários e/ou até mesmo familiares ao definir direitos e deveres dos sócios perante a sociedade empresária e terceiros.

 

Em geral, os Acordos Societários podem regular importantes questões que, muitas vezes, não são detalhadas no contrato social da sociedade empresária, tais como definições a respeito da compra e venda de participações, forma de avaliação da empresa e a preferência em sua aquisição; o exercício do direito de voto; o poder de controle; regras de acesso ao capital, a criação e o funcionamento de um Conselho Consultivo/Administração, a definição da arbitragem como meio para solução de eventuais controvérsias, dentre outras.

 

Nessa linha, o jurista Modesto Carvalhosa explica que o Acordo de Sócios tem por objeto “a regulação do exercício dos direitos referentes a suas ações, tanto no que concerne ao controle como ao voto dos minoritários, ou, ainda, a negociabilidade dessas ações” [1].   

 

Importante destacar que para as empresas familiares um Acordo de Sócios deve observar uma maior adequação ao modelo dos três círculos constituídos pela empresa, família e gestão. Os sócios, gestores e familiares devem ter atribuições específicas aos seus papéis e responsabilidades para evitar que eventual confusão e/ou sobreposição de funções prejudique o regular andamento das atividades da organização de controle familiar.

 

Finalmente, cabe destacar que o Acordo de Sócios deve ser arquivado na sede da empresa, sem a necessidade de registro na Junta Comercial, possuindo validade perante os sócios e terceiros envolvidos. Os sócios reunidos em um Acordo estabelecem regras de convivência que se bem aplicadas asseguram maior proteção aos negócios e uma valorização da organização perante sócios e as partes relacionadas.

 

VER MAIS NO LINK:

https://www.amodireito.com.br/2018/12/direito-suspensao-cnh-bloqueio-cartoes-devedores.html?m=1



[1] CARVALHOSA, Modesto. Acordo de Acionistas,  p.21

Mais notícias

  • Justiça Admite Penhora de Ativos Financeiros nos EUA

    - A busca por valores devidos começa a romper fronteiras entre países. Uma liminar do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou a penhora de ativos financeiros localizados nos Estados Unidos até o limite do valor da dívida cobrada na Justiça, por meio da cooperação jurídica internacional. No processo, o banco Sistema tenta recuperar uma dívida de em torno de R$ 100 milhões em valores atualizados. A cobrança teve origem em um empréstimo, efetuado em 1996, pelo banco à Angélica Brasil Incorporações e Empreendimentos, pertencente ao empresário Julio Bogoricin, referência no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, que morreu no dia 21 de março em Nova York, e sua esposa, também falecida, Rita Torá Bogoricin. Fonte: Valor Econômico

    Leia Mais

  • Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda - Medida Provisória n.º 936/2020

    - Em vigor a partir de 01 de abril, a MP 936 que admite a redução proporcional de jornada de trabalho e de salário, além da suspensão temporária do contrato de trabalho. Em caso de limitação de jornada, a equipe econômica estabeleceu três faixas possíveis de redução: 25%, 50% ou 70%. Os ajustes de salários são proporcionais aos cortes. Para esses casos, o limite de tempo é de 90 dias.   Em caso de suspensão completa do contrato de trabalho, a MP estipula como prazo máximo 60 dias. Neste caso, a jornada fica travada, a empresa não paga salários e não poderá cobrar qualquer tipo de colaboração do funcionário.   O ponto de destaque é que o texto da MP não estipula formatos de modificação dos contratos. Então, as mudanças podem ser variadas, como por exemplo, dias intercalados, redução de dias de trabalho na semana e até cargas horárias diferentes de um dia para o outro.   Contudo, mantidas as restrições de descanso previstas na CLT, como o intervalo de trabalho de uma hora para turnos maiores que seis horas e tempo mínimo de descanso de um dia para o outro. As jornadas voltam ao normal em três possíveis situações: a) com o fim do estado de calamidade pública antes do previsto; b) ao fim do período de 60 ou de 90 dias; ou c) por vontade do empregador. Em qualquer hipótese, a empresa tem dois dias para restabelecer o contrato como era anteriormente. 

    Leia Mais

  • CNJ Pode Flexibilizar Norma de Recuperação Judicial

    - O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidirá, por reunião virtual, sobre a publicação de uma portaria com recomendações para os julgamentos dos processos de recuperação judicial. Se aprovada, permitirá que juízes autorizem devedoras a apresentar novo plano de pagamentos aos credores, caso a capacidade financeira seja afetada pela crise decorrente do Coronavírus. Fonte Valor Econômico 

    Leia Mais

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS...