Artigos & Notícias

CNJ regulamenta serviços eletrônicos de tabeliães de protesto de títulos

Em 11/09/2019, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, assinou o provimento n.º 87/19, que regulamenta a implantação do CENPROT - Central Nacional de Serviços Eletrônicos dos Tabeliães de Protesto de Títulos.

O documento estabelece definição de assinatura eletrônica. Segundo o texto, é uso de certificado digital que atende aos requisitos da ICP Brasil - Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ou outro meio seguro, disponibilizado pelo tabelionato, previamente autorizado pela respectiva Corregedoria-Geral de Justiça.

A norma estabelece que a desistência do protesto poderá ser formalizada por meio eletrônico, sendo também admitido o pedido de cancelamento do protesto pela internet, mediante anuência do credor ou apresentante do título assinada eletronicamente.

A central será operada, mantida e administrada conforme deliberação da assembleia geral dos tabeliães de protesto de títulos, podendo ser delegada à entidade nacional representativa da categoria.

Além disso, a central deve disponibilizar, por meio internet serviços como: acesso a informações sobre quaisquer protestos válidos lavrados pelos Tabeliães de Protesto de Títulos dos Estados ou do Distrito Federal; consulta gratuita às informações indicativas da existência ou inexistência de protesto, respectivos tabelionatos e valor; fornecimento de instrumentos de protesto em meio eletrônico; recepção de declaração eletrônica de anuência para fins de cancelamento de protesto, entre outros.

Fonte: Conjur

Mais notícias

  • Justiça Admite Penhora de Ativos Financeiros nos EUA

    - A busca por valores devidos começa a romper fronteiras entre países. Uma liminar do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou a penhora de ativos financeiros localizados nos Estados Unidos até o limite do valor da dívida cobrada na Justiça, por meio da cooperação jurídica internacional. No processo, o banco Sistema tenta recuperar uma dívida de em torno de R$ 100 milhões em valores atualizados. A cobrança teve origem em um empréstimo, efetuado em 1996, pelo banco à Angélica Brasil Incorporações e Empreendimentos, pertencente ao empresário Julio Bogoricin, referência no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, que morreu no dia 21 de março em Nova York, e sua esposa, também falecida, Rita Torá Bogoricin. Fonte: Valor Econômico

    Leia Mais

  • Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda - Medida Provisória n.º 936/2020

    - Em vigor a partir de 01 de abril, a MP 936 que admite a redução proporcional de jornada de trabalho e de salário, além da suspensão temporária do contrato de trabalho. Em caso de limitação de jornada, a equipe econômica estabeleceu três faixas possíveis de redução: 25%, 50% ou 70%. Os ajustes de salários são proporcionais aos cortes. Para esses casos, o limite de tempo é de 90 dias.   Em caso de suspensão completa do contrato de trabalho, a MP estipula como prazo máximo 60 dias. Neste caso, a jornada fica travada, a empresa não paga salários e não poderá cobrar qualquer tipo de colaboração do funcionário.   O ponto de destaque é que o texto da MP não estipula formatos de modificação dos contratos. Então, as mudanças podem ser variadas, como por exemplo, dias intercalados, redução de dias de trabalho na semana e até cargas horárias diferentes de um dia para o outro.   Contudo, mantidas as restrições de descanso previstas na CLT, como o intervalo de trabalho de uma hora para turnos maiores que seis horas e tempo mínimo de descanso de um dia para o outro. As jornadas voltam ao normal em três possíveis situações: a) com o fim do estado de calamidade pública antes do previsto; b) ao fim do período de 60 ou de 90 dias; ou c) por vontade do empregador. Em qualquer hipótese, a empresa tem dois dias para restabelecer o contrato como era anteriormente. 

    Leia Mais

  • CNJ Pode Flexibilizar Norma de Recuperação Judicial

    - O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidirá, por reunião virtual, sobre a publicação de uma portaria com recomendações para os julgamentos dos processos de recuperação judicial. Se aprovada, permitirá que juízes autorizem devedoras a apresentar novo plano de pagamentos aos credores, caso a capacidade financeira seja afetada pela crise decorrente do Coronavírus. Fonte Valor Econômico 

    Leia Mais

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS...