Artigos & Notícias

STJ: Cobrança de valores indevidos de serviço de telefonia prescreve em dez anos

 A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu parcial provimento aos embargos de divergência (EAREsp 738.991) de uma consumidora e definiu a tese de que a devolução de valores cobrados indevidamente por empresa telefônica, relativos a serviços não contratados, deve seguir a norma geral do prazo prescricional de dez anos (artigo 205 do Código Civil). O entendimento do colegiado segue a linha interpretativa estabelecida pelo STJ na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.

Os embargos de divergência foram interpostos contra acórdão da Quarta Turma do STJ, que entendeu que a cobrança indevida de serviços não contratados por empresa de telefonia configuraria enriquecimento sem causa e, portanto, o pedido de devolução estaria enquadrado no prazo de três anos fixado no artigo 206, parágrafo 3°, IV, do Código Civil. A autora dos embargos apontou como paradigmas acórdãos da Segunda Turma nos quais, nesse tipo de situação, foi aplicado o prazo de dez anos, seguindo o que foi definido pela Primeira Seção em 2009 no julgamento do REsp 1.113.403, de relatoria do ministro Teori Zavascki, submetido ao regime dos recursos repetitivos.

Na ocasião, a tese firmada foi a de que, ante a ausência de disposição específica sobre o prazo prescricional aplicável à prática comercial indevida de cobrança excessiva, incidem as normas gerais relativas à prescrição do Código Civil na ação de repetição de indébito de tarifas de água e esgoto. Assim, o prazo aplicado é o de dez anos, de acordo com o artigo 205 do Código Civil.

Para o relator dos embargos, ministro Og Fernandes, a tese adotada no acórdão da Quarta Turma não é a mais adequada. Segundo ele, o enriquecimento sem causa (in rem verso) possui como requisitos: enriquecimento de alguém; empobrecimento correspondente de outrem; relação de causalidade entre ambos; ausência de causa jurídica e inexistência de ação específica. "Trata-se, portanto, de ação subsidiária que depende da inexistência de causa jurídica", afirmou.

O ministro ponderou que a discussão sobre a cobrança indevida de valores constantes de relação contratual e eventual repetição de indébito não se enquadra na hipótese do artigo 206, "seja porque a causa jurídica, em princípio, existe (relação contratual prévia em que se debate a legitimidade de cobrança), seja porque a ação de repetição de indébito é ação específica". Citando o jurista Caio Mário da Silva Pereira – para quem a ação de repetição é específica para os casos de pagamento indevido, sendo a de enriquecimento sem causa usada apenas na sua falta –, o ministro opinou que o prazo prescricional de três anos do artigo 206 deve ser aplicado de forma mais restritiva, para os casos subsidiários de ação de enriquecimento sem causa.

Fonte: STJ

 

Mais notícias

  • Justiça Admite Penhora de Ativos Financeiros nos EUA

    - A busca por valores devidos começa a romper fronteiras entre países. Uma liminar do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou a penhora de ativos financeiros localizados nos Estados Unidos até o limite do valor da dívida cobrada na Justiça, por meio da cooperação jurídica internacional. No processo, o banco Sistema tenta recuperar uma dívida de em torno de R$ 100 milhões em valores atualizados. A cobrança teve origem em um empréstimo, efetuado em 1996, pelo banco à Angélica Brasil Incorporações e Empreendimentos, pertencente ao empresário Julio Bogoricin, referência no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, que morreu no dia 21 de março em Nova York, e sua esposa, também falecida, Rita Torá Bogoricin. Fonte: Valor Econômico

    Leia Mais

  • Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda - Medida Provisória n.º 936/2020

    - Em vigor a partir de 01 de abril, a MP 936 que admite a redução proporcional de jornada de trabalho e de salário, além da suspensão temporária do contrato de trabalho. Em caso de limitação de jornada, a equipe econômica estabeleceu três faixas possíveis de redução: 25%, 50% ou 70%. Os ajustes de salários são proporcionais aos cortes. Para esses casos, o limite de tempo é de 90 dias.   Em caso de suspensão completa do contrato de trabalho, a MP estipula como prazo máximo 60 dias. Neste caso, a jornada fica travada, a empresa não paga salários e não poderá cobrar qualquer tipo de colaboração do funcionário.   O ponto de destaque é que o texto da MP não estipula formatos de modificação dos contratos. Então, as mudanças podem ser variadas, como por exemplo, dias intercalados, redução de dias de trabalho na semana e até cargas horárias diferentes de um dia para o outro.   Contudo, mantidas as restrições de descanso previstas na CLT, como o intervalo de trabalho de uma hora para turnos maiores que seis horas e tempo mínimo de descanso de um dia para o outro. As jornadas voltam ao normal em três possíveis situações: a) com o fim do estado de calamidade pública antes do previsto; b) ao fim do período de 60 ou de 90 dias; ou c) por vontade do empregador. Em qualquer hipótese, a empresa tem dois dias para restabelecer o contrato como era anteriormente. 

    Leia Mais

  • CNJ Pode Flexibilizar Norma de Recuperação Judicial

    - O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidirá, por reunião virtual, sobre a publicação de uma portaria com recomendações para os julgamentos dos processos de recuperação judicial. Se aprovada, permitirá que juízes autorizem devedoras a apresentar novo plano de pagamentos aos credores, caso a capacidade financeira seja afetada pela crise decorrente do Coronavírus. Fonte Valor Econômico 

    Leia Mais

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS...